Admissão de Ar

A admissão de ar, em qualquer motor de combustão interna, é o componente responsável por garantir a chegada de ar até à câmara de combustão. A quantidade de ar admitida terá que permitir a realização de uma mistura com percentagens ideais de ar e combustível, seja este gasolina ou gasóleo.

Inicialmente, os sistemas de admissão de gasolina eram baseados num carburador (componente que vaporiza gasolina para ser levada pelo ar quando este é sugado para a câmara de combustão) mas, a fim de criar uma mistura mais eficiente no que toca a parcelas admitidas de ar e de combustível, foi desenvolvida a injecção electrónica de combustível, constituída por injectores e por uma bomba injectora.

A injecção electrónica permite obter um controlo exacto do combustível enviado para a câmara de combustão, criando uma mistura o mais próxima possível do que seria a ideal. Este sistema estuda a massa de ar disponível, a qualidade dos gases queimados, entre outros parâmetros, a fim de saber exactamente a quantidade necessária de combustível em cada momento.

Uma outra forma de aumentar a eficiência do motor, através da admissão, é forçar ar para o interior da câmara de combustão. Deste modo, para criar uma mistura ideal, será também enviado mais combustível para a câmara de combustão o que resulta numa mistura capaz de libertar muito mais energia, resultando num desempenho superior do motor.

Para obter este efeito foi concebido o turbo-compressor, um componente que através dos gases de escape acciona um rotor que, por sua vez, força ar para o interior da câmara de combustão. Este sistema tem a vantagem de ser pequeno e de não retirar potência do motor para o seu funcionamento. No entanto, é-lhe inerente um determinado atraso na resposta ao acelerador e o seu desempenho só é máximo para uma certa gama de rotações por minuto do motor.

Um outro sistema criado para servir o mesmo propósito é o compressor. Este dispositivo, ao contrário do turbo, retira um pouco da potência do motor, compressoruma vez que precisa de ir buscar rotação directamente ao motor para posteriormente poder forçar ar para a câmara de combustão. O compressor é um pouco difícil de aplicar pois requer um certo espaço, no entanto com este sistema existe uma resposta instantânea ao acelerador e aumenta a performance do motor em qualquer regime de rotações por minuto.

Na concepção da admissão de ar do nosso Formula Student, tivemos em consideração ainda outro factor: segundo o regulamento todo ar que chegue ao motor terá que passar por um diâmetro de 20 mm. Esta regra conduz a enorme perda de admissaopotência do motor (motor CBR600 F4i) e ainda a que os componentes da admissão apareçam na seguinte ordem: primeiro o throttle body, depois o estrangulador e só depois um opcional reservatório de ar.

Para minimizar a perda de potência, deve garantir-se o maior abastecimento de ar possível. Para tal, o estrangulador de 20 mm projectado pela equipa terá uma ângulo de convergência para o diâmetro mínimo e, de seguida, um de divergência. No cálculo destes ângulos, é necessário garantir que não há refluxos durante o escoamento, bem como a menor diferença de pressão possível entre o exterior e interior do reservatório de ar.

Se gostavas de saber como foi calculado e projectada toda a admissão de ar do FSFCT não percas os próximos artigos.